Mostrando postagens com marcador CNBB. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador CNBB. Mostrar todas as postagens

9 de jun de 2012

Pe. Paulo Ricardo: vinte anos de Sacerdócio... e perseguições!

Por Jildonei Lazzaretti

No próximo dia 14 de junho de 2012, o pe. Paulo Ricardo de Azevedo Júnior completa vinte anos de sacerdócio. Este sacerdote, ordenado pelo então Papa João Paulo II, é uma figura emblemática dentro do clero do Brasil, uma vez que obteve uma grande ascensão “midiática”, principalmente através da rede mundial de computadores; e também devido à sua defesa veemente da fé católica.

Christo Nihil Praeponere - Nada pode antepor-se a Cristo

9 de mai de 2012

Retórica invejável, conteúdo no mínimo contestável e método totalmente incompatível com a Teologia Católica

Diante da CNBB reunida, Teólogo faz apologia a Teologia da Libertação e defende que o colegiado dos bispos deve ser exercido "em debate contra Roma"


Por Jildonei Lazzaretti

Durante a 50ª Assembleia Geral da CNBB, o teólogo gaúcho Frei Luiz Carlos Susin, OFMCap, expôs aos bispos do Brasil uma "Análise de conjuntura eclesial". Tendo acesso ao texto desta exposição, percebi que Frei Susin fez apenas uma análise marxista da Igreja (com base no materialismo histórico-dialético), acompanhada de uma apologia a Teologia da Libertação.

Ao falar da pedofilia, ele afirma: "As estatísticas dão esperança, uma vez que a concentração de casos (de pedofilia) está em clérigos cuja formação se situou exatamente no paradigma pré-conciliar que já não se sustentava mais". Ou seja, ele afirma que a maioria dos padres pedófilos recebeu uma formação baseada em princípios anteriores ao Concílio Vaticano II. Primeiramente, Frei Susin como teólogo tão renomado deveria citar estas estatísticas afirmando suas fontes e seus números exatos. E além disso, não consigo entender como estes padres pedófilos receberam formação pré-conciliar se a formação filosófica e teológica da maior parte dos seminários do Brasil, da América Latina e de parte da Europa é totalmente contrária à qualquer princípio que remete ao período pré-conciliar. Justamente nestes seminários se deu tanto enfoque a dimensão pastoral e social, que a doutrina foi deturpada, a disciplina foi condenada e as necessidades e fragilidades da dimensão humana foram ignoradas, gerando muitos dos recentes escândalos.